quarta-feira, 5 de novembro de 2014

[Lua Cheia] Capítulo 44 - Um beijo ao acordar

Capítulo 44 – Um beijo ao acordar
Leah acordou sentindo um carinho na cabeça e bocejou preguiçosamente. Abriu os olhos tentando reprimir o sorriso bobo que já se espalhava por seu rosto, mas foi incapaz disso ao encontrar os olhos castanhos de Grady a olhando de uma forma que aqueciam o seu interior e a faziam tremer pela intensidade dos sentimentos que sentia neste momento.
─ Novidades? – Ela perguntou rouca. Grady respondeu-lhe com um gesto silencioso antes de puxá-la mais para dentro do berço que eram seus braços.
Ela o sentiu duro contra uma de suas coxas e admitiu que a excitação languida da noite mal dormida ainda estava lá, escondida, embora ela sentisse a umidade no meio das pernas. Virou-se encarando-o com um sorriso ainda maior e sentou em cima de sua cintura, sentindo o atrito do pênis nu contra sua calcinha.
─ Onde colocou minha calça? – Lembrou-se de perguntar, a voz tomando um tom um pouco menos rouco.
─ Já quer ficar vestida? – Ele brincou sorrindo grande. Leah percebeu que os cabelos médios dele estavam ligeiramente molhados, embora ele estivesse nu.
─ Vai sair?
─ Você não respondeu a minha pergunta.
Grady investiu num beijo, mas ela virou o rosto, fazendo-o beijar sua bochecha. O namorado rosnou em desagrado e murmurou qualquer coisa que ela não entendeu.
─ O quê?
─ Nada. – Ele resmungou com uma carranca. – Suas calças então na cadeira. Achei que ficaria mais a vontade para dormir se estivesse só com a blusa e a calcinha.
─ Desculpe, querido. Eu só não gosto de beijar sem escovar os dentes, é nojento.
─ Eu te beijaria logo ao acordar se você deixasse. – Ele reclamou, mas não rosnava mais e a carranca havia sido desfeita.
─ Você é um perigo! – Ela brincou saindo do colo dele e parou a caminho do banheiro, finalmente notando que não estava em seu quarto. – Onde estamos?
─ Casa da Debbie. Bom, não exatamente dela. Do padrinho dela. Ele é o parente mais próximo dela no bando.
─ Ela não é daqui? – Leah perguntou à Grady, olhando os detalhes bonitos nas paredes do quarto. A casa era obviamente antiga.
─ Não. Ela veio de um bando parcialmente nômade. É uma nexo ômega, isso a deixava em maior risco do que a maioria das nexos. Ela tem mais poder de ataque do que você ou Sunshine, mas sua agilidade fica comprometida.
─ Agilidade?
─ Sim. Você é ágil por ser parte nexo. Jacob nos interou disso. Soube que você consegue bloquear o Sam em sua mente, o que quer dizer que sua conexão era fiel ao herdeiro do ultimo alpha, assim como seus antepassados.
─ Meu pai…
─ Sua mãe. – Grady a interrompeu levantando-se e caminhando lentamente para a mulher que amava.
Leah salivou com a visão de Grady, sentindo-se instantaneamente estimulada. A visão dele nunca deixaria de fazê-la surpresa, tinha plena certeza. Sentiu as mãos dele em sua cintura e jogou seus braços pelos ombros dele quase no mesmo momento que ele tocou-a.
Grady tentou roçar novamente a boca na da namorada, mas ela esquivou-se. Os lábios dele tocaram o canto da boca de Leah e foi quase impossível controlar o impulso de ceder e beijá-lo com ferocidade, do jeito que queria.
Tentou escapar dos braços dele, mas Grady não permitiu-lhe. Beijou o pescoço indo ao queixo e Leah fechou os olhos, sentindo ele caminhar com ela para qualquer lugar.
A umidade crescia consideravelmente enquanto o pênis duro dele roçava sua entrada, atiçando-a mais e mais. Ronronou, desejando o contato mais forte e bruto, mas ele seguiu a tentando, até que foi erguida e colocada sobre uma superfície ligeiramente gelada, a boca dele deixou o pescoço, dando um chupão leve.
Leah ofegou e resmungou, sentindo a dor fina e ligeiramente gostosa no clitóris dela pareceu levar prazer para o resto do corpo. Percebeu que estava em cima da cômoda de madeira, não teve tempo de olhar muito mais no quarto, Grady chamou sua atenção novamente, perguntando:
─ Vai me deixar te beijar agora?
─ É nojento, querido.
─ Amor.
─ Sim?
─ Diga amor.
─ Hum… não. – Leah brincou e riu com a cara de ligeira decepção dele e mordeu a boca quando o viu se afastar devagar e segurar o membro grande, grosso e teso que apontada diretamente para ela. – Grady, o q…
Sua fala perdeu-se quando o viu iniciar o movimento de vai-e-vem no próprio membro, os olhos a encarando vorazes e sentiu o centro de seu corpo apertando-se, seus seios ficaram instantaneamente duros e uma dor maior, a necessidade de ser preenchida falou mais alto.
─ Grady, por favor…
─ O quê? Não ouvi a palavra que eu queria. – Ele ofegou para ela, aumentando o ritmo das bombadas.
─ Amor, por favor?
─ Assim está melhor. – Ele sorriu de uma forma safada, que só a estimulou mais.
Se ele pode brincar… Pensou, abrindo as pernas e o presenteando com a visão da vagina inchada e encharcada. …Eu também posso. Pensou decidida, dando-lhe um sorriso vitorioso.
Grady rosnou e esqueceu de toda a calma que estava tentando manter, puxou Leah mais para a ponta e deixou o membro escorregar pelas dobras úmidas e aconchegar-se no seu lugar de direito.
Sentiu quando a namorada mordeu-lhe de leve e suspirou de prazer, ao senti-lo puro dentro dela. Grady não conseguia mais esperar então começou a bater duro. A cômoda os delatou, batendo contra a parede e fazendo companhia aos sussurros muito duramente contidos que Leah deixava escapar.
A voz dela pareceu ganhar vida quando a boca dele procurou seus mamilos. Beijando o vale acima e no meio deles, deixando os bicos entumecidos e ansiosos pelo contato. Ele lambeu lentamente um dos bico e o primeiro gemido mais alto escapou pelos lábios de Leah, quando ela começou a empurrar os quadris de encontro ao pênis grosso que a violava.
─ Grady… ─ Sua voz foi apenas um sussurro e ele aproveitou a deixa para beijar-lhe a boca aberta, enquanto com uma mão atiçava o clitóris inchado que pulsava avidamente e com a outra brincava com o bico do seio, alternando entre apalpadas e apertadas.
Ele tirou a mão de dentro da mulher que amava e a ouviu choramingar quando soltou a boca dela. A puxou de cima da cômoda e Leah o abraçou com as pernas, dando-lhe mais espaço enquanto era prensada contra uma porta e o sentia bater o pênis duro contra a cavidade úmida.
Sentiu-o tão profundo nela e isso só aumentou o seu prazer, parecia que ele estava cutucando seu colo uterino e a dor fraquinha era como um botãozinho que só aumentava a névoa de tesão que a inundara minutos antes.
Grady empurrou o pênis ainda mais duro e mais rápido, ouvindo os gemidos tornarem-se gritinhos e sentiu a boca dela atiçando-o, quando lambeu-lhe o bico do peito e mordeu. Ele rosnou, apreciando o contato e apalpando as nádegas firmes dela.
Sentiu que viria e segurou mais um pouco, mudando ligeiramente o ângulo a ponto de que em cada estocada, conseguisse fazer uma ligeira pressão no clitóris dela. Leah gritou, sentindo quase vir.
─ O que sente por mim?
─ O quê? – Ela questionou-o ofegante.
─ Diga o que sente por mim. – Ele rosnou sabendo a importância daquilo para ele nesse momento. Parou de estocá-la e foi quase uma tortura. Leah segurou-lhe o rosto e deu um sorriso emocionado e pequeno.
─ Eu te amo.
─ Quero que me diga o que sente enquanto goza para mim, amor. – Grady não deu-lhe uma estia. Voltou a estocar forte e a viu apertar os olhos fechados, enquanto jogava a cabeça para trás e apoiava na porta.
Leah arranhou-o, gritando enquanto sentia sua vagina apertá-lo forte. Grady rosnou alto em seu ouvido, enquanto gozava forte. Ela continuou batendo os quadris contra os dele, finalmente alcançando o climáx.
─ Eu te amo. – Sussurrou contra a boca dele e deu-lhe um beijo rápido. – Mas agora precisamos de um banho. Vamos, anda! – Ela apressou-o mexendo-se algumas vezes no membro, sentiu-o completamente duro novamente e deu-lhe um sorriso travesso. – Que tal no chuveiro agora?
─ Parece uma boa ideia. – Grady chapou-lhe a boca, enroscando sua língua na dela e abrindo a porta. – Mas não tenho muito tempo.
─ Mas…! Mas…!
Ele calou-a com um beijo caloroso e a colocou no chuveiro. Leah finalmente o soltou e ele banhou com ela enrolando o máximo que podia, até a batida na porta do quarto se fazer presente.
Ele a deixou no chuveiro, enquanto saia para se enxugar. Leah não deixou que os pensamentos agourentos a distraírem. Estavam juntos e bem, era o que importava para ela nesse momento.
Não se demorou no chuveiro, sabia que o mais educado seria sair do quarto, procurar por Debbie e apresentar-se à família, mas o cansaço estava lá e ela simplesmente jogou-se na cama, após secar-se, sem ao menos procurar por uma roupa para vestir.
Continua!

 Espero que tenham gostado *-* 
Beijinhos <3

4 comentários:

  1. Ansiosa pela continuação!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já está online :3 obrigada por ler e comentar <3

      Excluir
  2. Queria que a Leah fosse menos subimissa no sexo sabe, que ao menos uma vez fosse ela a comandar rsrs Na núpcias deles oficialmente acho quando deveria ser mais romântica, sem muitos termos devasso.
    To gostando muito da história, espero que você não termine essa fic logo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, estou guardando isso para quando ela começar a amadurecer como uma mulher. Aprendendo e tornando-se mais independente e confiante de seus atos, você vai perceber em breve o crescimento dela ^^~

      Eu entendo o que você quer dizer, estou sempre tomando o máximo de cuidado para que não soe muito pornográfico e com certeza quando eles de fato fizerem "amor", isso será mais romântico do que é agora, por causa do calor da temporada de acasalamento, eu não vejo isso como um relacionamento ainda, mas algo que está evoluindo para isso, como aqueles relacionamentos em que a gente ainda não tá com o cara, mas as coisas estão se encaminhando para isso, sabe? Mesmo que eles já sejam namorados, há algumas coisas a esclarecer ainda antes que ele a peça em casamento e a marque ^^

      Pode deixar que ainda há muitos capítulos haha~~ estamos apenas no meio da história, ainda há uma longa temporada de capítulos pela frente =D

      Obrigada por ler e comentar! Beijinhos ^^

      Excluir

Obrigada por comentar! Me deixa muito feliz *o*
Se tem dúvidas, pode perguntas quantas vezes quiser e eu responderei assim que for possível~XOXO.